Quem sou eu?

Olá, meu nome é Luana

 

e eu moro na minha cozinha
Quando eu falo com a minha mãe no telefone e pergunto “onde você está?” normalmente a resposta padrão é “no meu habitat natural”. Sempre foi assim. Quer achar a mamãe? Vai procurar na cozinha.

 

E como diz o ditado… quem sai aos seus, não degenera. Não mesmo! E quanto orgulho eu sinto de dizer que a cozinha é o meu habitat natural. Essa mesma cozinha que me traz tantas memórias afetivas.

 

Minha avó paterna fazendo massa, molho, sopa… Minha avó materna fazendo bolo, pão de queijo, polenta… Meu avô fazendo suco de limão e de maracujá… Mamãe fazendo de tudo um pouco (menos doce) em uma casa onde o jantar continha 3 menus por dia para agradar todo mundo… Papai fazendo queijo quente na frigideira e o cheiro de queimado na cozinha…

Não é de se espantar que a maior mudança da minha vida tenha vindo pela cozinha. Foi dentro dela que a vida guinou 180°. Junto com a minha mãe, minha eterna parceira no crime (e no habitat natural). Entre tapas e beijos, testes, trapaças, astúcias e muita criatividade. Descobrimos que talvez eu não fosse tão chata assim para comer, ou melhor, descobrimos que o paladar pode estar constantemente em evolução e desenvolvimento.

 

 

 

No final das contas concluímos o que já sabíamos. Comida é muito sentimento. É partilha, é amor, é carinho, é cuidado.

 

E é gostoso de mais da conta!